CONHECIMENTO DE GRADUANDOS EM MEDICINA SOBRE A MORTE E O MORRER NA FORMAÇÃO ACADÊMICA

  • Emanuela Cristina Reis Barroso
  • Puallane Ravena Barbosa Rêgo
  • Cláudia Aline de Brito Oliveira
  • Patrícia Carvalho Moreira
  • Júlia Vitório Octaviani
  • Luciane Miranda Guerra
  • Brunna Verna Castro Gondinho
  • Maria Helena Ribeiro De Checchi
  • Viriato Campelo

Resumo

Objetiva-se pesquisar o conhecimento de graduandos em medicina acerca de suas formações acadêmicas para o serviço em saúde em relação à morte e o morrer. Trata-se de um estudo descritivo, de natureza quantitativa, realizado em uma instituição privada de Teresina-Piauí, com 88 graduandos do curso de Medicina. Os resultados revelaram que os entrevistados tinham menos de 25 anos, eram solteiros e equiparados entre homens e mulheres, dos quais não estão sendo preparados para lidarem com o processo de morte e morrer. A instituição formadora não está incluindo a temática de forma clara em sua grade curricular, e sim de forma superficial. Portanto, são necessárias mudanças urgentes nas grades curriculares do curso de medicina, no intuito de prepará-los para essa situação.

Biografia do Autor

Emanuela Cristina Reis Barroso
Centro Universitário UNINOVAFAPI, Graduada em medicina
Puallane Ravena Barbosa Rêgo

Centro Universitário UNINOVAFAPI, Graduada em medicina

Cláudia Aline de Brito Oliveira

Universidade de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão e Saúde Coletiva, Piracicaba, SP, Brasil

Patrícia Carvalho Moreira

Universidade Federal do Piauí, Mestre em Antropologia

Júlia Vitório Octaviani

Universidade de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão e Saúde Coletiva, Piracicaba, SP, Brasil

Luciane Miranda Guerra

Docente na Universidade de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba FOP/UNICAMP, Piracicaba, São Paulo, Brasil.

Brunna Verna Castro Gondinho

Docente na Faculdade de Odontologia e Enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (FACOE-UESPI), Parnaíba, Piauí, Brasil.

Maria Helena Ribeiro De Checchi

Docente na Universidade Federal do Amazonas, Coari, Amazonas, Brasil.

Viriato Campelo
Universidade de São Paulo, Doutor em Clínica Médica.

Referências

AGUIAR, I. R. et al. O envolvimento do enfermeiro no processo de morrer de bebês internados em Unidade Neonatal. Acta paul. Enferm., v. 19, n. 2, p. 131-7, maio/jun. 2006.
ALMEIDA, L. F.; FALCÃO, E. B. M. Representação social de morte e a formação médica: a importância da UTI. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, p. 226-34, abr./jun. 2013.
CARVALHO FILHO, M. A. Emocional x Profissional. Revista ser médico, São Paulo, v. 72, p. 34-37, jul./set. 2015. Disponível em:. Acesso em: 30 nov. 2015.
CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 41- 65, 2004.
CHERER, E. Q.; QUINTANA, A. M.; PINHEIRO, U. M. S. Sofrimento e Libertação: Significações Sobre a Morte na UTI Pediátrica. Psico, v. 44, n. 4, p. 482-89, out./dez. 2013.
COMBINATO, D. S.; QUEIROZ, M. S. Um estudo sobre a morte: uma análise a partir do método explicativo Vigotski. Ciencia Saúde Colet., v. 16, n. 9, p. 3893-900, set. 2008.
GAUDENCIO, D.; MESSEDER, O. Dilemas sobre o fim da vida: informações sobre a prática médica nas UTIs. Ciênc Saude Colet., v. 16, n. 1, p. 813-20, maio 2011.
JASKOWIAK, C. R.; ZAMBERLAN, P.; FONTANA, R. T. Death and R. Pesq.: Cuid. Fundam., São Paulo, v. 5, n. 1, p. 3515-522, jan./mar. 2013.
KASTENBAUM, R; AISNBERG, R. Psicologia da Morte. São Paulo: Pioneira, 1983.
LEILA JUNIOR; ELTINK, C. F. A visão do graduando de enfermagem perante a morte do paciente. Enferm. Nursing., v. 29, n. 3, p. 176-82, maio 2011.
PALÚ, L. A.; LABRONICI, L. M.; ALBINI, L. A morte no cotidiano dos profissionais de enfermagem de uma Unidade de Terapia intensiva. 2004. Monografia (Graduação) -Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.
POLES, K.; BALIZA, M. F.; BOUSSO, R. S. R. Morte na unidade de terapia intensiva pediátrica: experiência de médicos e Enfermeiras. Enferm. Cent. O. Min., v. 3, n. 3, p. 761-79, set./dez. 2013.
SALOMÉ, G. M.; CAVALI, A.; ESPÓSITO, V. H. C. Sala de Emergência: o cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais de saúde. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 62, n. 5, p. 681-86, set./out. 2009.
SANCHES, P. G.; CARVALHO, M. D. B. Vivência dos enfermeiros de terapia de unidade intensiva frente a morte e o morrer. Rev. Gaucha Enferm., Porto Alegre, v. 30, n. 2, p. 289-96, jun. 2009.
SANTOS, F. S. A Arte de Morrer: visões plurais. Bragança Paulista, SP: Comenius, 2009(a). v. 1.
SANTOS, F. S. Cuidados paliativos: discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu, 2009(b).
SILVA, R. S.; PEREIRA, Á.; MUSSI, F. C. Conforto para uma boa morte: perspectiva de uma equipe de enfermagem intensivista. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 40-6, jan./mar. 2015.
SOUSA, D. M. et. al. A vivência da enfermagem no processo de morte morrer dos pacientes oncológicos. Texto Contexto Enferm., v. 18, n. 1, p. 41-7, jul./set. 2009.
Publicado
2020-12-29
Como Citar
REIS BARROSO, Emanuela Cristina et al. CONHECIMENTO DE GRADUANDOS EM MEDICINA SOBRE A MORTE E O MORRER NA FORMAÇÃO ACADÊMICA. REVISTA FAIPE, [S.l.], v. 10, n. 2, p. p. 1-11, dec. 2020. ISSN 2179-9660. Disponível em: <http://revistafaipe.com.br/index.php/RFAIPE/article/view/202>. Acesso em: 24 jan. 2021.
Seção
SAÚDE COLETIVA

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##