ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO DE CRISTA ILÍACA EM MANDÍBULA E MAXILA PARA REABILITAÇÃO ORAL

RELATO DE CASO

  • Luã Monique B. P. de M. Ramalho
  • Marcelo Ricardo da C. Bucair
  • Marcus Vinícius Crepaldi
  • Priscila Vieira da Silva
  • Maria de Lourdes Crepaldi
  • Adriana Aparecida Crepaldi
  • Leonardo Monteiro da Silva Cirurgião dentista, Esp. em Endodontia e Prótese Dentária, Coordenador e docente da graduação em Odontologia FAIPE
  • Adriana Silva Castro

Resumo

Diversas alternativas terapêuticas são utilizadas na tentativa de reparar defeitos ósseos, decorrentes da reabsorção após perdas dentarias, possibilitando a reabilitação com implantes. O uso de enxertos ósseos é uma dessas alternativas. Dentre os tipos de enxerto ósseo, o autógeno é considerado biologicamente o melhor tipo de enxerto para reconstrução dos rebordos maxilares e mandibulares por apresentar vantagens quanto às propriedades antigênicas e angiogênicas, mantendo as propriedades osteoreparativas, osteogênicas, osteoindutoras e osteocondutoras. O presente trabalho visa levantar considerações e indicações a cerca do enxerto ósseo autógeno tendo como metodologia o levantamento bibliográfico prévio ao relato do caso clínico onde a paciente submeteu-se à este procedimento extraindo fragmento da crista ilíaca para enxerto mandibular e maxilar e conseguinte reabilitação com implante. Após as duas etapas cirúrgicas, adequada recuperação e instalação da prótese definitiva sobre os implantes, pode-se concluir que o enxerto autógeno apresenta condições e indicações favoráveis para o procedimento de enxertia nos espaços edentados da cavidade bucal sendo biocompatível e não derivando irritação aos tecidos adjacentes.

Biografia do Autor

Luã Monique B. P. de M. Ramalho

Cirurgião dentista, aluna do curso de Esp. Em Cirurgia Bucomaxilofacial, FAIPE.

Marcelo Ricardo da C. Bucair

Cirurgião dentista, Mestre e Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciall, Docente Pós-graduação FAIPE.

Marcus Vinícius Crepaldi

Cirurgião denstista, Doutor em Ortodontia (USP), Mestre em Ortodontia, Docente da Pós-Graduação em Ortodontia e Diretor Geral Faculdade FAIPE.

Priscila Vieira da Silva

Cirurgiã dentista, Doutora em Ciências Odontológicas Integradas (UNIC/MT), Mestre em Ciências Odontológicas (UNESP), Especialista em Odontopediatria (EAPE/FUNORTE), docente da graduação em Odontologia FAIPE.

Maria de Lourdes Crepaldi

Doutora em Educação (Pontifíca Universidade Catóçica de São Paulo), Diretora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da FAIPE.

Adriana Aparecida Crepaldi

Mestre em Odontologia (USP), docente da graduação em Odontologia FAIPE.

Adriana Silva Castro

Acadêmica em Odontologia FAIPE.

Referências

CLAYMAN, L. Reconstrução do implante da maxila óssea: revisão de a Literatura e Apresentação de 8 Casos. J Oral Maxillofac Surg., n. 64, p. 674-682, 2006.
GALLERANI, T. G. O uso de enxerto ósseo autógeno intra e extra-oral em Implantodontia. Campinas, 2012. 43 f. Monografia (Especialização) – Programa de Pós-Graduação em Odontologia,FUNORTE/SOEBRÁS, Campinas, 2012.
GARG, A. K. et al. Enxertos ósseos mandibulares autógenos no tratamento da maxila reabsorvida crista alveolar anterior: raciocínio e abordagem. Implant Dent., v. 7, n. 3, p. 169-173, 2008.
GROSS, J. S. Materiais de enxerto ósseo para aplicações dentárias: um guia prático. Compend Contin Educ Dent., v. 18, n. 10, p. 1013-8, 2007.
JUNQUEIRA, L. C.; CARNEIRO, J. Histologia básica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 488 p. 2008.
LEAHY, F. M. Reações teciduais a produtos comerciais particulados de osso xenógeno aplicados em defeitos produzidos em calvárias murinas: análise microscópica comparativa. 2013. Tese (Doutorado) – Campinas, 2013.
PIKOS, M. A. Expansão bucolingual do rebordo maxilar. Implantodontia Update, v. 3, n. 11, p. 85-7, 2006.
SCHMELZEISEN, R; SCHON, R. Microvascular reanastomizado alógeno transplantes de crista ilíaca para a reconstrução de defeitos ósseos da mandíbula em porcos em miniatura. Int J Oral Maxillofac Surg., n. 27, p. 377-85, 2008.
STRUJAK, G. Análise radiográfica dos enxertos ósseos provenientes da sínfise mandibular ou crista ilíaca no tratamento das fissuras alveolares. 2015. Dissertação (Mestrado) - Setor de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.
TEN CATE, A. R. Histologia Bucal. Rio de Janeiro: Guanabara, 2005. p. 95-112.
URIST, M. Bone: formação por autoindução. Science, v. 150, n. 3698, p. 893-9, 2005.
VAYVADA, H. et al. Manejo cirúrgico do ameloblastoma na mandíbula: mandibulectomia segmentar e reconstrução imediata com fíbula livre ou retalho da artéria ilíaca circunflexa profunda (avaliação do tempo estético e resultados funcionais). J Oral Maxillofac Surg., n. 64, p.1532-39, 2006.
WIKESJÖ, S. clínico e histológico de seis anos estudo de enxertos sinus-lift. Int J Oral Maxillofac Implants, v. 11, p. 26-34, 2009.
Publicado
2021-05-27
Como Citar
RAMALHO, Luã Monique B. P. de M. et al. ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO DE CRISTA ILÍACA EM MANDÍBULA E MAXILA PARA REABILITAÇÃO ORAL. REVISTA FAIPE, [S.l.], v. 11, n. 1, p. 15-24, maio 2021. ISSN 2179-9660. Disponível em: <https://revistafaipe.com.br/index.php/RFAIPE/article/view/227>. Acesso em: 27 out. 2021.
Seção
ODONTOLOGIA

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>