A VIGÊNCIA DA REFORMA TRABALHISTA E AS VANTAGENS PARA AS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

  • Gustavo Zede Barros Pós-graduado em Legislação e Práticas Trabalhistas. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Fabiana Sampaio Mestranda em Direito pela UNOESC/SC e Coordenadora de Pós-graduação. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Alessandro Meyer da Fonseca Especialista em Direito. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Nello Augusto dos Santos Nocchi Mestre em Direito. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Oscemario Forte Daltro Mestre em Educação. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Elyria Bianchi Mestre em Educação. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Evandro Luiz Echeverria Mestre. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.
  • Darla Martins Vargas Mestre em Direito. Faipe. Faculdade Garça Branca Pantanal.

Resumo

A Reforma Trabalhista, transformou a relação empregado-empregador, alterou a legislação trabalhista, e estrutura do Direito do Trabalho. Quais as inovações da Lei nº 13.467/17? Quais as vantagens às organizações empresariais? O estudo aborda as "novidades" trazidas pela nova lei, focando nos benefícios gerados às empresas. A relevância econômica e social, ao trazer conhecimentos aprofundados sobre o tema, justifica o estudo, pois há vários questionamentos com relação às mudanças. É uma pesquisa bibliográfica, com abordagem qualitativa de natureza dedutiva. Houve alterações no direito material e processual, sendo importante empregadores e gestores empresariais; conhecer esse novo ambiente da relação empregatícia. A redução de custos e novas oportunidades de contratos, são vantagens que fortalecem o crescimento econômico.

Referências

ALMEIDA, Ana Carolina. Nova lei trabalhista: Banco de horas poderá ser negociado diretamente com o empregador. JusBrasil, jul. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2019.
BITTAR, Eduardo Carlos Bianca. Metodologia da pesquisa jurídica: Teoria e Prática da Monografia para os Cursos de Direito. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.
BRASIL. Decreto-Lei n.º 5.452, de 01 de maio de 1943. Consolidação das Leis do Trabalho, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2019.
_____. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 08 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em 02 dez. 2019.
______. Lei nº 10406 de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União, Brasília, jan. 2002. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2019.
_____. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2019.
CARVALHO, Letícia Brito. O Trabalho Intermitente Consoante a Reforma Trabalhista no Brasil à Luz do Direito Comparado. Revista Âmbito Jurídico, Rio Grande, out. 2019. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2019.
CERDEIRA, Marcelo Tavares; NIERO, Ana Luiza. Horas in itinere e a reforma trabalhista. Portal Migalhas, Ribeirão Preto, jun. 2018. Disponível em: Acesso em: 12 dez. 2019.
D’OLIVEIRA, Gerlane Cristina da Silva Bossi; D'OLIVEIRA, Bruno Loureiro Bossi. Responsabilidade por dano processual è luz da reforma trabalhista. Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 23, n. 5368, mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2019.
DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 14. ed. São Paulo: LTr, 2015.
DIAS, Eliezer Coelho. A Nova Lei da Terceirização do Trabalho (Lei N°13.429/2017). Conteúdo Jurídico, Brasília, nov. 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2019.
ÊGO, Evellyn Barbosa. A terceirização e a reforma trabalhista no Brasil. uma análise crítica da possibilidade de terceirização das atividades-fim. Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 23, n. 5521, ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2019.
FERREIRA, Vinícius Sousa. As possibilidades de trabalho intermitente após a reforma trabalhista. Revista Consultor Jurídico, São Paulo, mar. 2019. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2019.
GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Reforma Trabalhista: Análise Crítica da Lei 13.467/2017 - Conforme a Medida Provisória 808/2017. 3. ed. Salvador: Juspodivm, 2018.
MARTINEZ, Luciano. Curso de direito do trabalho: relações individuais, sindicais e coletivas do trabalho. 9. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.
MICHEL, Verônica Lima. Considerações sobre a demissão por justa causa. Revista Lex Magister, Porto Alegre, 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2019.
NEVES, Aline. Rescisão do contrato de trabalho por comum acordo. Portal Migalhas, jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2019.
OLIVEIRA, Mauro Celi. Da (im)possibilidade da caracterização das horas in itinere no contrato de trabalho: uma releitura a partir de seus elementos constitutivos. Jus.com.br., São Paulo, out. 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2019.
OLIVEIRA, Rodrigo. A demissão por justa causa e o valor do método conta-gotas. Revista Consultor Jurídico, São Paulo, jun. 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2019.
PEREIRA, Hélio do Valle. Manual de direito processual civil. 2. ed. Florianópolis: Conceito Editorial, 2008. p. 153.
SILVA, Aarão Miranda da.; MATTOS, Débora Moura de. As horas in itinere na reforma trabalhista (Lei nº 13.467/2017). Revista Jus Navigandi, Teresina, v. 22, n. 5289, dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2019.
SILVA, Michel Augusto Pereira da. Demissão em comum acordo entre empregado e empregador, o distrato! Jus.com.br., São Paulo, mar. 2019. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2019.
TONELLI, Ricardo Fajan. A Reforma Trabalhista e o fracionamento de férias. JusBrasil, set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2019.
Publicado
2021-06-08
Como Citar
BARROS, Gustavo Zede et al. A VIGÊNCIA DA REFORMA TRABALHISTA E AS VANTAGENS PARA AS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS. REVISTA FAIPE, [S.l.], v. 11, n. 1, p. 195-208, jun. 2021. ISSN 2179-9660. Disponível em: <https://revistafaipe.com.br/index.php/RFAIPE/article/view/258>. Acesso em: 27 out. 2021.
Seção
DIREITO

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##